Jardineiro do Amor




O verdadeiro espírita, conhecedor dos princípios sublimes da sua doutrina, é um jardineiro do amor, segundo o poema imortal de Tagore.

Dia a dia, ele trabalha os canteiros do seu coração, da sua sensibilidade e da sua inteligência, removendo a terra, extraindo as ervas daninhas e semeando a boa semente das flores evangélicas.

Não basta acreditar na sobrevivência e partircipar de sessões ou ouvir palestras. Kardec assinalou que se conhece o verdadeiro espirita pela sua transformação moral. E essa transformação não se verifica sem o trabalho incessante do homem na modelação de si mesmo.

Os Espiritos do Senhor podem auxiliar-nos, mas o trabalho de nossa transformação é principalmente nosso, e deve ser realizado por nós mesmos.

Algumas religiões nos condenam por essa teoria do esforço próprio, alegando a existencia da graça. Mas Kardec definiu a graça como a força que Deus concede ao homem de boa-vontade, para que vença as suas imperfeições.

Sabemos que existe a graça. Mas sabemos,também, que devemos nos colocar em condições de merecê-la, e que isso depende de nós mesmos. Trabalhemos, pois, diariamente, o nosso jardim interno, para sermos espiritos perfeitos.

(Herculano Pires/Chico Xavier)