Socorramos




Decerto observarás , em toda parte, desacordos, desentendimentos, desajustes, discórdias...

Junto do próprio coraçao, surpreenderás os que parecem residir em regiões morais diferentes. Entes amados desertam da estrada justa, amigos queridos abraçam perigosas experiências.

Como ajudar aos que nos parecem mergulhados no erro?

Censurar é fazer mais distância, desprezá-los será perdê-los. É imprescindível saibamos socorrê-los, através do bem efetivo e incessante.

Para começar, sintamo-nos na posiçao deles, a comungar-lhes a luta. Situemo-nos aos pés dos problemas em que se encontram e atendamos à prestaçao do serviço silencioso.

Se aparece oportunidade, algo façamos para testemunhar-lhes apreço.

No pensamento, guardemo-los todos em vibrações de entendimento e carinho.

Na palavra, envolvamo-los na bênçao do verbo nobre.

Na atitude, amparemo-los quanto seja possível.

Em todo e qualquer processo de açao, fortalecê-los para o bem é o nosso dever maior.

À frente, pois, daqueles que se te afiguram desnorteados, estende o coração e as maos para auxiliar, porque todos estamos no caminho da evolução e, segundo a assertiva do nosso Divino Mestre, "com a medida com que tivermos medido nos hão-de medir a nós".

(Emmanuel _ Chico Xavier)