Historia de D. Amélia




Conheci Dona Amélia na fazenda "Dona Amélia Maria Liberata".
Linda e rica mulher, mas rude e ingrata, sempre altiva, no estrado de ouro e renda. Deixava o pão mofando preso à lata e gritava:
- Ninguém me desatenda.

Procurava conflitos de encomenda para zurzir os servos na chibata . Mais tarde veio a morte... a nobre dama padecia o remorso como a chama quando o fogo se apega à carne nua.

O tempo voa.. E agora, reencarnada, vejo-a sozinha, triste e desprezada, esmolando socorro em cada rua.

(Cornélio Pires - Estrelas no Chão)
Psicografado por Francisco Cândido Xavier