Filho Que Não Nasceu



Minha mae, por que a senhora nao me deixou nascer?

Eu queria tanto, maezinha!

Lutei, trabalhei, empenhei-me, para conseguir a autorizaçao para renascer.

E a senhora comprometeu-se comigo; comigo e com Deus.

Como fiquei alegre, no dia em que a senhora, em espírito, ao lado de papai, concordou em receber-me na intimuidade de seu lar. Eu ansiava pelo esquecimento, desejava novo corpo que me possibilitasse resgatar meus erros do passado. Planejava um futuro de luz. Na verdade, minha vida estaria marcada por provas e testemunhos redentores. Mas eu preparei-me, confiante no seu amor! E, no momento em que eu mais necessitei, a senhora me assassinou!

Por que maezinha?! Por que?!!!

Quando a senhora me sentiu no santuário de seu ventre, mudou de conduta, de comportamento. E começou a torturar-me. Seus pensamentos de revolta, que ninguém ouvia, retumbavam em meus ouvidos insipientes, quais gritos lascinantes, que me afligiam muito. Os cigarros que a senhora fumava, muitas vezes, me intoxicavam. Seu nervosismo, fruto da sua insatisfaçao, eram-me verdadeiras chicotadas.

Quando decidiu abortar-me, aconteceu uma coisa interessante: a senhora querendo me expulsar de seu ventre e eu, lutando, para nele permanecer.

Por que a senhora fechou os ouvidos à voz da consciência que lhe pedia compaixao e serenidade? Por que anestesiou os sentimentos a ponto de esquecer-se que eu portava um universo de bênçaos e alegrias para você?

Seria o filho obediente e amoroso. Trazia recursos que lhe facilitariam a existência, nos últimos anos de sua presença na Terra.

Mas a senhora nao quis; e veja a conseqüência: eu, atormentado por nao renascer, e a senhora, doente, triste, intranqüila. Sua mente, acicatada pela afliçao e seus sonhos, povoados de pesadelos.

Por que maezinha, a senhora nao me deixou nascer?

- Ainda é cedo, pensava.

- Quero gozar a vida, passear, divertir-me, viajar. Filhos, só depois!.

Mas filho algum chega em momento inadequado. As leis da vida sao sábias, e ninguém nasce por acaso.

Mas, pelo muito amor que lhe tenho, estou pedindo a Deus misericórdia, em seu favor. Ouso, mesmo, interceder para que a senhora alcance a bençao do reequilíbrio, a fim de que, num futuro próximo, nós estejamos juntos, eu, em seu ventre, e a senhora, como sempre, em meu coraçao. Eu, me alimentadndo, na fonte de sua vitalidade, e a senhora fortalecendo-se, na gratidao de meus mais puros sentimentos.

Maezinha, por favor, nao repita seu ato premeditado, refletido.

Quando sentir, de novo, alguém batendo às portas do seu coraçao, sou eu, o filho renegado, que voltou para viver e ajudá-la a ser feliz.

Maezinha, nao se esqueça de mim, nao me abandone, nao me expulse, nao me mate de novo, preciso renascer.