A Lógica do Amor



Marquinhos e Margô são duas pessoas muito queridas, como se fossem nossos filhos. Ficamos felizes quando soubemos que Margô estava esperando um bebê. Era a resposta à oração da Stela, filha do casal, que sempre orava pedindo um irmãozinho.

Passada a euforia da notícia, um dia, sentadinha frente a frente com a mãe, Stela se sai com esta:
- Agora você não vai me amar mais, não é? Agora vai ter que amar meu irmãozinho.

Margô respirou fundo, pensou um pouco e disse:
-Você ama a mamãe?

- Sim, você sabe... respondeu Stela.

- E você ama também o papai?

- Claro! respondeu Stela com os olhinhos brilhando.

Margô completou:
- Então, está vendo? Se você pode amar a mamãe e o papai, a mamãe também pode amar você e o seu irmão.

A menina de sete anos entendeu a lógica do amor e foi brincar. Algumas semanas depois, aconteceu o que ninguém desejava. Margô teve um pequeno sangramento, correu para os médicos, tomou todos os cuidados, mas não pode evitar a perda da gravidez. Choramos.

Margô levou Stela para o quarto, tomou-a nos braços e disse:
- O bebê saiu da barriga da mamãe.

Ao sair do quarto, Stela encontra o pai muito abatido. Eram duas preocupações de igual peso: a perda do neném e a reação da Stela. A menina se volta para o pai e pergunta:
- Você está triste porque o neném foi embora? Fica triste não, pai. Espera que o Papai do Céu dá outro. Era, mais uma vez, a lógica do amor em ação.