O Sacerdote e o Fazendeiro



Conta-se que um rico fazendeiro foi queixar-se ao padre da paróquia local, dizendo que as pessoas não o viam com bons olhos porque ele não ajudava as outras pessoas nem contribuía com as obras assistenciais da igreja e disse ao sacerdote:
- Ora,todos sabem que quando eu morrer deixarei tudo o que tenho para a igreja e seus pobres.

O sacerdote, homem sábio, disse ao fazendeiro:
- Vou lhe contar uma história. A história da vaca e do porco.

Fez uma pausa e continuou:
- Um dia o porco foi reclamar com a vaca porque ninguém lhe dava valor. Todos o desprezavam. Afinal, disse o porco, eu dôo tudo o que tenho aos homens. Eles consomem a minha carne, usam meus pelos para fazer pincéis, e aproveitam até meus ossos. Mesmo assim sou um animal desconsiderado. O mesmo não acontece com você, que dá apenas o leite e é reverenciada por todos, concluiu o pobre porco.

A vaca, que ouvia com atenção, falou:
- Talvez seja porque eu dôo um pouco de mim todos os dias, enquanto estou viva, e você só tem utilidade depois de morto.

O fazendeiro agradeceu ao padre pela lição e se retirou pensativo.

E você, em que tem contribuído com a sociedade da qual faz parte, enquanto está a caminho?

A necessidade não aguarda o tempo propício para visitar os desafortunados. A carência pede socorro agora, não mais tarde. A necessidade roga mãos caridosas hoje, não amanhã. A ignorância solicita esclarecimento imediato, não num futuro distante.

Existem tantas frentes de trabalho aguardando mãos dispostas a se movimentar em prol do semelhante, nos mais variados campos de ação. Basta boa vontade e disposição.