Projeção - Rodolfo Benavides



Rodolfo Benavides é um famoso escritor espiritualista mexicano, autor de várias obras sobre espiritualismo, entre elas: "Dramáticas Profecias De La Grande Pirâmide" ("Dramáticas Profecias da Grande Pirâmide"),"... Entonces Seremos Dioses" ("Então Seremos Deuses") e "Em la Noche de los Tiempos" ("Na Noite dos Tempos").

Na maioria de seus escritos, há muitas referências à projeção da consciência, porém, somente no livro "Experiências Paranormales" ("Experiências Paranormais"), em que trata de suas próprias experiências vivenciadas, é que encontramos referências práticas sobre a projeção, descritas de maneira simples e objetiva.

"Nesse momento, já é amplamente conhecido e comprovado que existem no ser humano outros meios de percepção, além dos cinco sentidos que usamos de maneira normal. Porém, o mais importante seja, talvez, o fato de que esses outros meios possam nos proporcionar informações e conhecimentos, tanto no passado como no futuro, sem importar tempo e distância. Isto significa projetar essa percepção, que antes era considerada como um "dom divino", no tempo e no espaço, em busca do que se deseja saber e que não está ao alcance dos cinco sentidos. Isto vem a ser a projeção do eu interno para fora do corpo.

Alguns exercícios para alcançar estes efeitos são, na realidade, sumamente simples, posto que todas as noites os praticamos, ao deitarmo-nos. A diferença está em fazê-los conscientemente, a fim de conservar a memória do que se faz, assim como dos efeitos que se buscam e se obtêm."

EXERCÍCIOS P.E.S. (Percepção Extra-Sensorial)

1. Isolar-se completamente em uma habitação fechada, a fim de evitar surpresas, como a de alguém que entre bruscamente;

2. Fazer com que o lugar fique bem pouco iluminado para evitar que afete a vista e produza distração;

3. Deite-se comodamente, evitando roupas apertadas ou qualquer outro motivo de pressão sobre o corpo;

4. Relaxar o corpo ao máximo, fazendo com que mentalmente sinta-se um adormecimento a partir dos pés, logo após as pernas, depois o corpo, as mãos e finalmente a cabeça. Quando se faz isto devidamente, produz-se um adormecimento geral, quase sempre induzindo ao sono natural, fazendo com que seja, nos primeiros intentos, o final do exercício.

Deve-se aprender a deter o sono natural precisamente neste ponto, sem abandonar, no entanto, o relaxamento geral, ou seja, permanecer consciente de tudo o que se está fazendo;

5. Pôr para trabalhar a imaginação. Visualizar seu interior, isto é, o corpo astral ou etérico, começando a se levantar, desprendendo-se do corpo físico.

Não se deve ser demasiado ambicioso e querer alcançar tudo nos primeiros exercícios, nem sequer em curto tempo; pelo contrário, o praticante deve se conformar com pequenos avanços a cada vez e isto deve servir para lhe dar confiança e segurança.

A princípio, de maneira geral, com os primeiros resultados positivos, sente-se muito medo e até há pessoas que suspendem completamente os exercícios. Há outras, porém, que o seguem com entusiasmo, à medida que comprovam que pouco a pouco o 'desprendimento' está sendo maior, mais notável e mais agradável, deixando clara consciência do que está sucedendo. Assim, chega o momento em que, de certa altura, o praticante vê seu próprio corpo físico que jaz sobre a cama ou lugar em que esteja deitado.

Ao persistir no exercício com paciência, se chegará ao ponto em que o corpo astral se põe de pé em algum lugar perto da cama, e daquele ponto observa seu corpo adormecido.

Quando já se tem maior domínio, o corpo astral pode ir, por exemplo, até a janela e olhar para a rua, transmitindo suas observações ao corpo físico, para que fiquem no consciente e então possa recordar sem dificuldade.

Para chegar a este efeito avançado, deve-se começar por coisas simples como ver no interior de alguma coisa, por exemplo, de um móvel. Uma vez alcançado isto, já se pode atravessar a parede, sempre lentamente, até sair do outro lado e ver o que há, para logo regressar ao corpo.

Tudo isto, que à primeira vista parece ser mera ficção, é perfeitamente possível, mediante o correspondente treinamento.

Sem considerar o êxito que com isto se possa ter, os exercícios servem de muito para disciplinar a mente e desenvolver o interesse, ou pelo menos a curiosidade, que finalmente conduzirá ao estudo".