XAMANISMO



A simbologia animal está profundamente gravada no inconsciente coletivo da humanidade. Herdamos sentimentos e recordações inconscientes que condicionam nosso comportamento consciente.

Nas religiões antigas existem registros de rituais do homem e do animal em todos os hemisférios. Exemplos como Ganesha, a divindade hindú, forma humana com cabeça de elefante; no Egito, Thot, forma humana com cabeça de falcão; o peixe e a ovelha no cristianismo.

Na mitologia grega, entre os fenícios, maias, astecas, índios norte-americanos, na Siberia, nos cultos africanos, no Peru, entre os aborígines australianos, entre os esquimós, índios brasileiros, no taoísmo e etc.

Nos contos Jakata conta-se que Buda em seu "Grande Despertar" lembrou-se de encarnações animais. Jesus, um dia, disse aos seus discípulos: "Eis que vos enviou como ovelhas no meio de lobos; portanto, sede espertos como as serpentes e simples como as pombas" (Mateus, 10:16 ). A história também faz registros do Sermão aos Peixes, de Santo Antonio e São Francisco pregando a palavra de Deus aos pássaros. Também o símbolo dos Quatro Evangelistas: Mateus, o Anjo ou o Homem, marcando o nascimento de Cristo; Marcos, o Leão, seu Evangelho começa no deserto; Lucas, o touro, iniciando com Zacarias, que sacrificou o Gado; João, a Águia, porque através dela o Espírito de Deus se manifesta.

Na astrologia os símbolos astrológicos são animais. Na astrologia chinesa, idem. Nos chakras, há para cada vórtice um animal que carrega o bija (semente). A Kundalini é representada por uma serpente.

A simbologia animal também está presente em todas as linhas de ocultismo, na alquimia, nas cartas de tarô, nas runas, no I Ching, etc.

No xamanismo passamos pela descoberta do animal guardião que está presente em cada um de nós. Seja chamado de animal de poder, espírito protetor, nagual, aliado totem, animal guardião. É o nosso alter ego, nosso duplo. Os animais estão mais próximos do que nós da Fonte Divina. O animal é mítico, onírico. Quando compartilhamos de sua consciência animal, podemos transcender o tempo e o espaço e as leis de causa e efeito. A natureza da relação entre o homem e o animal é de origem espiritual. É o nosso instinto animal, nosso lado mais forte e menos racional.

Os animais de poder são manifestações dos poderes arquetípicos ocultos, que estão por trás das transformações humanas. Torna as pessoas com um corpo vigoroso, aumenta a resistência a doenças, a acuidade mental, e a autoconfiança. Eles auxiliam no diagnóstico de doenças, na realização de objetivos desafiadores, para aumentar a disposição, auxiliam no autoconhecimento. Enfim, um aliado. O antropólogo Michael Harner, em seu livro "The Way of The Shaman" descreve que quando uma pessoa está doente, ela está desanimada, ou seja, ela perdeu sua força animal, está deprimida, fraca e predisposta a adoecer. No xamanismo, os praticantes costumam também ter as suas canções para evocar o poder dos animais. Através de uma maior compreensão da energia animal e da pratica de rituais e meditações, expande-se o seu poder pessoal. Esse relacionamento poderá lhe trazer um vigor extra, ajudará a ter idéias mais criativas, a melhorar seu relacionamento com as pessoas e com o Universo, aumenta sua intuição, melhora seu poder de tomar decisões, maior disposição para enfrentar os desafios da vida, proteção contra perigos.

Fonte: www.xamanismo.com.br

A figura da águia como símbolo xamã faz referência a uma metáfora. Assim como a águia voa muito alto e fica próximo ao céu mas, ao mesmo tempo, com sua visão aguçada acompanha tudo que se passa terra, o xamã consegue elevar sua consciência para o alto e se conectar com consciências superiores. Entretanto, o xamã permanece com os pés na terra e vivenciando esse mundo carnal. É o equilíbrio entre a terra e o céu.

Outros elemento associados ao xamanismo é o tambor cuja vibração simboliza a mãe terra e o chocalho que representa a kundalini.

No Brasil os índios Tupi-Guaranis elegeram o colibri e o beija-flor como substituto da águia, usada pelos xamãs amaericanos. No reino vegetal a representação é dada pela palmeira. Em relação aos elementos da natureza temos as seguintes analogias:



AKASH - Éter : Representado por um elefante com uma tromba e o som das águas correntes.

TERRA - Prithivi : Representado por um elefante com 7 trombas e o som associado ao zumbido.

ÁGUA - Apas ou Varuna : Representado por um crocodilo e o som da flauta.

FOGO - Tejas ou Agni : Representado por um carneiro e o som da harpa.

AR - Vayu : Representado por um cervo e o som de sininhos.